Os alimentos funcionais, de acordo com a definição geralmente aceita, é um alimento que pode trazer benefícios a saúde além de nutrir o organismo com as substâncias que ele contem.

Esta é uma definição complicada, porque as substâncias presentes nos alimentos, referem-se apenas às vitaminas e minerais. A razão é que eles são considerados essenciais para a dieta e/ou correção de uma deficiência de nutrientes clássicos, como por exemplo, a vitamina C que corrige o escorbuto.  Já os nutracêuticos são frequentemente definidos como sinônimo de alimentos funcionais.

Na verdade, a principal diferença entre eles é que os nutracêuticos incluem os suplementos alimentares, e os alimentos fortificados que são enriquecidos com nutrientes não naturais, tais como o sumo de laranja com adição de cálcio, alimentos funcionais e alimentos médicos. Assim, nutracêuticos são mais corretamente definidos como partes de um alimento que tem um conjunto de benefícios médicos ou de saúde, incluindo a prevenção e tratamento da doença.

Principais aspectos dos nutracêuticos e alimentos funcionais

Historicamente, as organizações internacionais definem todos os alimentos específicos utilizados para a prevenção ou tratamento de doenças como drogas. Definiram então legalmente os nutracêuticos como uma categoria separada regulamentar, permitindo-lhes assim realizar o tratamento específico da doença ou prevenção anteriormente permitida somente para as drogas.

Já nos alimentos funcionais o teor de vitamina D em sardinhas, por exemplo, que alivia o raquitismo, não pode ser considerado um alimento funcional, enquanto que a soja, que contém a proteína de soja associado com uma redução na doença cardiovascular, também não é considerada como sendo essencial para tratar esse problema.

Outros alimentos funcionais incluem uvas vermelhas e farelo de aveia (em virtude do teor de fibra). Os chamados enriquecidos ou fortificados ou alimentos os quais foram adicionados vegetais ou outros suplementos também se enquadram na categoria de alimentos funcionais.

Dois exemplos disso são o suco de laranja e salada com ômega-3 ácidos, graxos poli-insaturados. Os alimentos funcionais podem levar à saúde dos indivíduos ou uma melhor qualidade de vida.

O produto alimentar é destinado à gestão dietética específica de uma doença ou condição para a qual distintas necessidades nutricionais são estabelecidas por avaliação médica. Alimentos médicos podem ser utilizados para tratar a obesidade, diabetes ou doença cardíaca, por exemplo, e pode efetuar pedidos específicos, mas num sentido estrito são recomendados através de médicos, e não por meio de pontos de venda convencionais.

O fundamento científico dos alimentos funcionais

Há muitos exemplos de alimentos funcionais, alimentos médicos e suplementos alimentares em forma de alimentos que foram introduzidos no mercado, com base científica. Alguns exemplos encontram-se detalhadas abaixo:

Redução do colesterol – Várias empresas têm comercializado cereais como alimentos funcionais quando enriquecidas com inulina (um oligossacarídeo) ou psyllium. O colesterol plasmático total foi reduzido em homens jovens que consumiam uma porção de 50 g de cereais em um pequeno-almoço enriquecidos com inulina 18%, em quatro semanas.

A bifidobactéria nas fezes também aumentou e apareceu para explicar o efeito de redução de lipídeos. As margarinas enriquecidas com esterol vegetais, inicialmente posicionadas como suplementos dietéticos, agora estão sendo comercializada em alguns países como alimentos funcionais, pois demonstraram reduzir os níveis de colesterol no sangue dos indivíduos.

Barra de alimento para prevenção de doença arterial – Uma empresa farmacêutica desenvolveu uma barra de alimento medicinal para o tratamento dietético da doença vascular. A barra tem uma base de proteína de soja e contém L-arginina, bem como as quantidades preferidas de vitaminas C, E, B6, B12, niacina e ácido fólico para aqueles com doença da artéria coronária.

Um estudo clínico da barra de alimentos entre pacientes com aterosclerose dos membros inferiores, mostrou uma melhora significativa de cerca de 70% por cento na dor em uma caminhada e um aumento 23% da distância total para os pacientes que consumiram duas barras por dia durante duas semanas. Além disso, os efeitos foram mantidos até 10 semanas de ingestão de duas barras diárias.

Bebidas probióticas – A bebida como suplemento dietético contendo Lactobacillus casei, Streptococcus thermophilus e Lactobacillus bulgaricus tem sido comercializado como um suplemento dietético com a seguinte recomendação: é um produto com a sua combinação única de culturas, incluindo L. casei e foi clinicamente comprovado que fortalece suas defesas naturais.

No entanto, um estudo científico realizado por um Instituto de Pesquisa de Alimentos e Nutrição não demostrou nenhum efeito sobre a atividade de células naturais, na fagocitose ou na produção de citocinas em homens saudáveis que beberam leite cultivado com uma cepa diferente do mesmo organismo.

É claro que as empresas de alimentos e farmacêutica estão comprometidas com o estudo científico e desenvolvimento de alimentos funcionais e nutracêuticos.

Eles também demonstraram que uma base científica sólida para a eficácia destes produtos em combinação com uma boa comercialização, conduz à aceitação por parte dos consumidores para vários tipos de produtos. O futuro parece ser muito brilhante para essas categorias. É só esperar para comprovar!

Por Salete Dias

https://nutricaoemfoco.com/alimentos/diferencas-entre-os-alimentos-funcionais-e-os-nutraceuticos/

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here